O nuances produz séries especiais sobre diversos temas com o objetivo de trazer ao leitor um debate mais aprofundado, sempre em três textos assinados por especialistas convidados. Confira abaixo as séries completas e as em andamento. Boa leitura!


Destaque


Economia e Desenvolvimento

Efeitos da pandemia de covid-19 no mundo do emprego

As previsões de especialistas a respeito dos efeitos da pandemia no nível do emprego e renda são sombrias. Na América Latina, o aumento do desemprego e queda da renda deverão começar a ser sentidos de forma mais intensa a partir do segundo semestre de 2020. Os países da região deverão amargar uma recessão econômica histórica neste ano.

por Robson Perez Jr.



série completa


Desemprego e covid-19: alguns cenários para o Brasil e o mundo

Este será o primeiro de uma série de três textos dedicados a tratar dos efeitos da pandemia de covid-19 sobre os níveis de emprego no Brasil. Para realizar esta análise, vou utilizar dados sobretudo de uma estudo recente realizado pela OIT (Organização Internacional do Trabalho) – órgão subordinado à ONU – a respeito do tema e destacar tanto alguns dos cenários traçados quanto algumas das medidas sugeridas pela organização para que os países possam mitigar o problema do desemprego, como a criação de políticas públicas específicas para cidadãos e empresas. leia mais

Aumento da informalidade e da pobreza: a dura realidade dos efeitos da pandemia no mundo do emprego

A princípio, o efeito da covid-19 no nível do emprego pode ser entendido em duas ondas. A primeira, já em curso, diz respeito a queda abrupta na atividade econômica por conta das medidas de isolamento social que, de imediato, já ceifou mais 2,3 milhões de postos de trabalhos no Brasil no primeiro trimestre de 2020 – 1,9 milhão são de postos de trabalho informais.  Segundo dados do IBGE provenientes da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad Contínua), ao final do primeiro trimestre de 2020, o desemprego atingia 12,9 milhões de trabalhadores. leia mais

Efeitos recessivos da covid-19 na economia: dificuldades adicionais no caso brasileiro


Este é o terceiro e o último texto da série que trata dos efeitos da pandemia de covid-19 nos níveis de emprego. Nos dois textos anteriores, apresentei um panorama geral dos diagnósticos que a OIT (Organização Internacional do Trabalho) que, em relatório recente, prevê o aumento do desemprego e a queda da renda no mundo. Além disso, utilizando dados recentes do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e da CEPAL (Comissão Econômica para América Latina e Caribe)[…] leia mais


Séries em andamento



O Conselho da Moeda (I): origens da política monetária no Brasil

Esse texto é a primeira parte de uma série de quatro capítulos em que trataremos do Conselho Monetário Nacional (CMN). Aqui, de maneira introdutória, apresentamos o debate que existe em torno da gestão política da moeda, especialmente no Brasil. Nos próximos textos, trataremos do Conselho propriamente dito, em três momentos: o período da ditadura militar; a redemocratização, passando pelas mudanças implementadas durante o Plano Real; e a atual situação do Conselho. Caso ainda não tenha ficado claro, estamos falando de dinheiro. O popular “vil metal”. Desde que a humanidade passou a usar instrumentos que fossem legitimados e reconhecidos por todos os pares como instrumento de troca de um produto por outro (processo brilhantemente descrito no primeiro capítulo d’O Capital). leia mais

O Conselho da Moeda (II): entre técnicos e czares

Nossa história começa no último dia de 1964. Enquanto as sete ondas eram puladas por todo o país, o governo do Marechal Humberto de Alencar Castello Branco, que chegara ao poder por um golpe de Estado, tomava uma decisão que impactaria a política econômica até os dias de hoje. A Superintendência da Moeda e do Crédito era extinta e, em seu lugar, era criada uma autoridade monetária com relativa autonomia em relação ao governo. Como falamos no texto anterior, isso é produto de uma exigência direta dos credores internacionais do Brasil: uma gestão menos “política” da emissão de moeda, do câmbio, dos juros e etc. Entretanto, o governo não poderia deixar a política monetária afastada completamente de seus próprios interesses. Afinal, a gestão da política econômica está diretamente relacionada ao crédito que a população concederá ao regime (essencial mesmo – e talvez especialmente – em governos autoritários). leia mais



Algumas especificidades da covid-19 no Paraná

Desde que um novo coronavírus (Sars-Cov-2) chegou ao Brasil, esperava-se que a doença causada por ele (covid-19) assumisse características distintas ao longo do território nacional. Contribuiriam para isso o tamanho do país, a diversidade e as desigualdades regionais, as diferentes taxas de circulação de pessoas, entre muitos outros fatores. leia mais